sexta-feira, março 27

"loucamente", eu li

 
Cerra entre as mãos o rosto companheiro
Sem medo do que verá bem perto dos olhos, além dos limites do corpo e da proximidade cristã.
Toca os traços marcados dos dias partidos e não se vá.

Cerra entre os dedos a pele quase intocada até sentir os poros diluídos às linhas da palma e os cabelos como cordas a enlaçarem os ombros, os braços.

Sinta com ardor
De forma que a estrutura corpórea se dissolva aquele corpo,
aquele rosto,
àquela respiração desritmada.

Toma entre as mãos como quem toma o alimento, o objeto preferido, a lembrança

E plante a pergunta: _ Como tiro você de mim?

(Darla)

3 comentários:

Fernanda disse...

lindo

Música e caipirinha disse...

..não tire, consuma todo o sentimento!

Jones Mariel Kehl disse...

Belo, exceto à pergunta final: melancólica.

Related Posts with Thumbnails